terça-feira, fevereiro 09, 2016

Fernanda Teixeira demite-se do cargo de Directora do Gabinete da Primeira-Dama

Fernanda Teixeira foi exonerada do cargo de Directora do Gabinete da Primeira-Dama da República de Moçambique, através do despacho presidencial número 1/2016, de 11 de Janeiro de 2016, ainda não tornado público oficialmente.
Contactado pela Ídolo, o Gabinete de Imprensa da Presidência da República disse não ter conhecimento da referida informação. Entretanto, a revista contactou também a ex-Directora que confirmou e revelou que trabalhou até finais de Janeiro, após pedir demissão por razões familiares.

Fonte: A Bola – 09.02.2016

Ministro Ferrão não quer telemóveis nas salas de aulas

O uso de telemóveis, vulgos celulares nas salas de aulas é visto como uma das causas de baixo aproveitamento pedagógico nas escolas um pouco pelo país.
E para que essa prática não ganhe moda para as gerações vindouras, o ministro de Educação e Desenvolvimento Humano do nosso país, Jorge Ferrão, anunciou que a partir do presente ano lectivo o uso de telemóveis nas salas de aulas passa a ser proibido. Falando em Alto Molócuè aquando da abertura do ano lectivo, Ferrão explicou que em muitas ocasiões, os professores interrompem aulas para atenderem chamadas ou mandar “sms” e quando assim acontece, os alunos também aproveitam-se e também fazem a mesma coisa que o professor fez. Isso na óptica do ministro perturba a concentração quer do professor assim como do aluno.
Refira-se que o aproveitamento pedagógico do ano lectivo findo esteve abaixo dos 80% situação tida como preocupante para o sector.

Fonte: Diário da Zambézia – 09.02.2016

segunda-feira, fevereiro 08, 2016

Governo moçambicano prepara regresso de quatro mil "deslocados" do Malaui

O Governo moçambicano vai preparar o regresso de quatro mil pessoas que se encontram em centros de acolhimento no Malaui, alegadamente em fuga da crise política e militar no centro de Moçambique.
"A tarefa do Governo é, numa primeira fase, identificar cerca de quatro mil pessoas, saber de onde elas são, e depois prestar-lhes assistência", disse à Lusa fonte diplomática moçambicana, salientando a importância da terminologia aplicada a este caso e que se trata de "deslocados" e não de refugiados.
Segundo a mesma fonte, o alto comissário de Moçambique (embaixador) no Malaui está a acompanhar de perto a situação daquelas quatro mil pessoas no país vizinho, para onde seguiu também uma equipa de elementos do Ministério dos Negócios Estrangeiros e Cooperação e do Ministério do Interior.

STV NoiteInformativa 07 02 2016

sábado, fevereiro 06, 2016

Quando não faz recorrer a inveja ao feito por outros?

Há gente que não faz, não deixa fazer e fica com inveja pelo que é feito por quem quer fazer.
Conta-se uma história incrível nas bandas do Chiveve. Diz-se que o Conselho Municipal da Beira, esse que se localiza no Chiveve, em cumprimento do seu manifesto eleitoral bem recebido por aqueles munícipes, construiu e equipou nove salas de aulas. Mas diz-se que na entrega desses edífícios, o director da escola,  director distrital e mesmo provincial de educação boicotaram. Eu só posso concluir que:
a)      Deve-se a mentes partidarizadas. Podemos imagir que todos esses que boicotaram, se calhar, ontem dia de abertura do ano lectivo, tiveram os seus comeretes e beberetes nesses mesmos edifícios. É o poder da Frelimo e nem que seja fictício que lhes guia.

quinta-feira, fevereiro 04, 2016

Praca dos Heróis de Nampula


In: El Patriota

O Conselho Municipal da Beira construiu e equipou uma escola



In Conselho Municipal da Beira

Renamo denuncia rapto de dirigente no centro de Moçambique

A Renamo (Resistência Nacional Moçambicana) denunciou hoje o rapto do seu delegado distrital de Gondola, Manica, centro do país, por um grupo armado à civil. 
Em declarações à Lusa, Sofrimento Matequenha, delegado político provincial da Renamo em Manica, contou que um grupo de homens introduziu-se na noite de Quarta-feira na casa do delegado distrital de Gondola e raptou-o, mantendo-se desaparecido.
"Os homens entraram na sala e encontraram-no a assistir televisão às 21:00 horas de Quarta-feira, raptando-o. Mas o delegado resistiu e foi imobilizado com um tiro no pé. Quando o filho tentou acudi-lo, também foi atingido no braço", explicou Sofrimento Matequenha, acrescentando que a situação provocou o pânico entre os vizinhos.

terça-feira, fevereiro 02, 2016

STV OpiniaoPublica 01 02 2016

Moçambique: riqueza e miséria de mãos dadas, a segunda alimentando a primeira

Apesar da desaceleração actual, Moçambique está a viver um ciclo de crescimento económico inédito e as profecias do FMI anunciam um futuro ainda animador. Mas o que isso significa para a maioria dos moçambicanos e moçambicanas? A resposta não é agradável: riqueza e miséria, a segunda alimentando a primeira sempre à custa da justiça. Ler mais (Pambazuka News)

MDM pede ao Governo para apoiar os refugiados moçambicanos no Malawi

Daviz Simango diz que os refugiados devem ser considerados como tais porque fogem à violência em Moçambique.
O presidente do Movimento Democratico de Moçambique (MDM), terceira força parlamentar, apelou nesta terça-feira o Governo a accionar mecanismos de assistência aos refugiados moçambicanos no Malawi e insistiu que a negação da sua existência pode prejudicar a vida e segurança.
“Apelamos as autoridades moçambicanas para que accionem instituições vocacionadas para estas situações e enviem com urgência os apoios necessários para proporcionar o conforto possivel, no sentido de dar resposta a esta crise humanitária, resultante da cultura de violência instalada, da intolerância politica e de ausencia de paz”, declarou Daviz Simango em conferência de imprensa na Beira, depois de visitar os refugiados no Malawi.
A Comissão Politica Nacional do MDM visitou o país vizinho durante três dias para apurar “uma versão genuína” da situação que tem forçado os residentes de povoados de Moatize em Tete a deixar o país.

segunda-feira, fevereiro 01, 2016

Lourenço do Rosário considera nova vaga de refugiados no Malawi má para o país

O presidente do Mecanismo Africano de Revisão de Pares mostrou-se preocupado com a migração de moçambicanos para o Malawi, devido a tensão que se vive no país.
Lourenço do Rosário falava à margem da Reunião do Mecanismo Africano de Revisão de Pares (MARP) que decorre em Adis Abeba.
Do Rosário, que é o actual pre­sidente daquele órgão, considera natural que as pessoas procurem se refugiar em locais mais segu­ros, e espera que as autoridades deem o acompanhamento neces­sário.
“Fomos informados agora que o Governo deslocou uma missão para ir verificar a situação dos refugiados que estão no Malawi. Eles são refugiados e isto significa que não se sentem seguros onde eles se encontram”, revelou, acres­centando que “não é uma boa no­tícia para o nosso país”.

Fonte: O País – 29.01.2016