quinta-feira, julho 30, 2015

Multipartidarismo ou Dualipartidarismo em Moçambique?

Nota 1: Da paridade à exclusão dos outros, por onde anda a coerência? Multipartidarismo ou Dualipartidarismo em Moçambique? A Renamo já começou a preparar o desencorajamento político dos moçambicanos e a derrapagem dos anos subsequente às eleições de 1999.
Nota 2. Quem avisa é amigo. Querendo façam a revisão dos posts sobretudo de 2008 em debate neste blog.
A Assembleia da República adiou para Outubro a escolha dos membros que tem direito de indicar para fazerem parte do Conselho de Estado, por causa de divergências na distribuição dos assentos.
A deliberação sobre a matéria estava, inicialmente, agendada para esta terça-feira, mas, contra todas as indicações, a matéria acabou sendo retirada da agenda. Segundo dados a que tivemos acesso, a “bronca” prende-se com o facto de ter sido reservada à bancada do MDM a indicação de um conselheiro, cabendo à Frelimo quatro nomeações e a Renamo duas. (O País – 29.07.2015)

P.s. Dualipartidarismo é termo cunhado por Jr Chauque para a democracia de dois partidos. 

quarta-feira, julho 29, 2015

PANICO NA ESCOLA SECUNDÁRIA DE NAMPULA

Incidente na secundária de Nampula causa 50 feridos


Uma explosão de um quadro eléctrico, numa das salas da Escola Secundária de Nampula, criou um alvoroço do qual resultaram cerca de 50 alunos feridos, cinco dos quais em estado grave.
Apesar de alguns meios de comunicação avançarem mortos, o Ministério da Educação e Desenvolvimento Humano (MEDH), afirmou durante a conferência de empresa concedida, na tarde de hoje, que ainda não tem registos de mortes.

De acordo com o porta-voz, Ivan Collinson, o MEDH está neste momento a fazer o acompanhamento do caso e conforme as informações a serem fornecidas pelo Hospital de Nampula, onde as vítimas estão em observação, serão feitas atualizações em torno do ocorrido.

Ivan, referiu ainda que devido ao incidente, as aulas ficaram temporariamente paralisadas, assim como a realização dos testes trimestrais que estão em curso, naquela instituição de ensino secundário. [FI] (Folha de Maputo)

História da Frelimo - O Assassinato do Zambeziano Pedro Câmara

O «Moçambique para Todos» por várias vezes referiu-se ao caso do zambeziano, Pedro Câmara, que na década de 70 desertou das fileiras do exército colonial para se juntar à luta pela independência nacional. Foram diversas as fontes a que o «Moçambique para Todos» fez referência, nomeadamente:
1. O livro de memórias de Raimundo Pachinuapa
2. O depoimento de um antigo comandante da Frelimo, Zeca Caliate, autor do livro «Odisseia de um Guerrilheiro»
3. Uma reportagem do jornal tanzaniano, «Daily News», edição de 22 de Outubro de 1972
4. O livro de memórias de Sérgio Vieira, «Participei, por isso testemunho»
Mas agora, o «Moçambique para Todos» encontrou na Torre do Tombo (Arquivo Histórico português) em Lisboa um documento da Direcção Geral de Segurança, (ex-PIDE), com a data de 18 Abril de 1973, documento esse que dá conta da forma como Pedro Câmara, e dois outros antigos desertores das Forças Armadas Portuguesas, foram executados por estrangulamento na Província de Cabo Delgado, por ordens da direcção da Frelimo. Ler mais

AR APROVA LEI QUE CRIA O SISTEMA DE INFORMAÇÃO DE CRÉDITO DE GESTÃO PRIVADA

A Assembleia da República (AR), o parlamento moçambicano, aprovou hoje, na generalidade, a lei que cria o sistema de informação de crédito de gestão privada, um instrumento que visa auxiliar os bancos comerciais na recolha de dados pessoais e profissionais mais completos dos seus clientes.

Com este sistema, os comerciantes ou fornecedores poderão obter informações sobre os seus clientes. O mesmo também vai facilitar os cidadãos nos casos de compra e venda a crédito ou prestações.

Em Moçambique, existe actualmente um sistema de controlo do crédito bancário, que é gerido pelo Banco de Moçambique (BM), mas que não permite o acesso dos fornecedores de bens e serviços as informações sobre os seus clientes.

terça-feira, julho 28, 2015

Atrocidades em Tete???


OUÇAM  AQUI TESTEMUNHO DAS ATROCIDADES COMETIDAS PELAS FORÇAS GOVERNAMENTAIS EM NDANDE-TETEAFINAL NÃO FORAM HOMENS DA...
Posted by Ndhaneta Moz on Terça-feira, 28 de Julho de 2015

Um alerta oportuno aos nampulenses e outros

Parabéns Município de Nampula pela aquisição dos 39 autocarros concebidos no projecto de 40. É um grande passo. Mas antes isso exige uma responsabilidade por parte dos gestores que é a Empresa Municipal de Transportes, dos munícípes, incluindo os que não vão usar por terem transporte próprio, mas que a bem do meio ambiente deviam recorrer ao esse transporte público e aos utentes. Os utentes não são necessariamente os munícipes de Nampula, mas podem ser os que visitam a cidade de Nampula que duma ou outra forma, precisam os meios de transporte público.

Responsabilidade por parte dos gestores, significa não subtrair as receitas para fins próprios. Que todos os gestores e funcionários da empresa saibam que 64 milhões foram concedidos a título de crédito no sistema leasing, com uma taxa de juro de 14,75 porcento a serem reembolsados em três anos. Portanto, não é oferta. Pediu emprestado, pagou. É o município que vai pagar e não Mahumudo Amurane.

Os gestores e funcionários da Empresa de Transporte saibam que os seus salários serão gerados nessa empresa. Saibam ainda os autocarros precisam de manutenção permante e isso tem os seus custos. Saibam também que esses autocarros não são vitalícios e que depois de alguns anos, devem-se comprar novos para substituí-los.

Por parte dos utentes, é assumir responsabilidade pagando pelo uso por só assim existirão motoristas, os autocarros se beneficiarão de manutenção permanente; mantendo-os em forma. Se um passageiro não paga, saibam os outros passageiros que esse está a sabotar a cada um, ao município.

Tudo isto que escrevi aqui é porque tenho receio que não venha a acontecer ou o que vai acontecer, seja o contrário, muito contrário do que escrevi. Tenho receio que se evoquem eleições como o direito de estragar o que pertence a todos os munícipes... MAS NÃO QUIS SER PESSIMISTA PORQUE AINDA ACREDITO EM VOCÊS.

P.S: 1) Falar de transporte de Nampula, é falar de Maputo, Matola, Pemba e onde quer que seja.

2) Falo porque estou com saudades dos comboios e automotoras hoje inexistentes. Tenho saudades dos autocarros, machimbombos da ROMON.

3) Que apesar de nunca ter usado, sei que existiu a empresa Transportes Públicos Urbanos de Nampula sob tutela do Ministério de Transportes e Comunicação. E por onde andam os autocarros? Como Transportes Públicos Urbanos ficaram os trabalhadores?

Município de Nampula “desencalha” projecto de compra de 40 autocarros para transporte público

Finalmente, o projecto de aquisição de 40 autocarros para a empresa de Transportes Públicos Municipais de Nampula, que estava a registar uma série de constrangimentos, na sequência do cancelamento do contrato pela edilidade com a GWM, empresa vencedora do concurso lançado para o efeito, alegadamente por se ter provado que a mesma não é ilegível pelo First National Bank (FNB), instituição que iria alocar os fundos para a materialização desta iniciativa, acaba de ser concretizado.
O plano custou mais de 64 milhões de meticais e os veículos começam a circular a partir de 22 de Agosto próximo, data em que o edil Mahamudo Amarune, ora em balanço de 18 meses de governação, vai orientar um comício popular em celebração do dia cidade de Nampula.

Gustavo Mavie já não é Director Geral da AIM

Gustavo Mavie, um dos mais proeminentes membros do G 40, acaba de ser afastado do cargo de Director Geral da Agência de Informação de Moçambique (AIM), confirmou ao CanalMoz, fonte do Conselho de Ministros. Para o seu lugar foi indicado o jurista e docente universitário Bernardo Mavanga, antigo director do Notícias. Mavanga toma posse na tarde de hoje.
Mavie sai assim pela porta pequena e há rumores de que deverá enfrentar um processo de desvio de fundos e corrupção denunciada pelo Canal de Moçambique. 


Fonte: Canalmoz - 28.07.2015

segunda-feira, julho 27, 2015

STV AssembleiadaRepublica1 23 07 2015



Ontem tive a oportunidade de ver o seguinte vídeo. Houve pronunciamento infeliz de três deputados, nomeadamente dois da Frelimo e um da Renamo, um pronunciamento que ofende à mulher. Mas há coisa que não entendo que é a parcialidade. Primeiro, há um deputado aqui, a partir do tempo 1:17:10 que parece estar a alertar sobre o tipo de discurso que se usa. Mas a resposta?
Agora me surpreendem, são alguns compatriotas que escolhem condenar um lado, deixando o outro e não menos a quem devia exigir disciplina por parte de todos os deputados.
Caros compatriotas, o vídeo está aqui:

domingo, julho 26, 2015

Quem vai pescar o atum?

Nos últimos 10 anos, acreditávamos que se tratava de um tubarão. Não era um tubarão qualquer. Era um tubarão branco, um assassino silencioso, extremamente perigoso e com os dentes bastante afiados para morder, sem dó nem piedade, o povo que, com muito suor e sangue, paga os inúmeros impostos, mesmo sobrevivendo à intempérie. Foram 10 anos a assistir ao que acreditávamos ser um tubarão a emitir esgares por onde passava, ao mesmo tempo que ampliava a sua fortuna para lá do intolerável.
Espoliando os moçambicanos, o que acreditávamos ser tubarão habilmente levava água ao seu moinho, tendo edificado um património económico pessoal que roça à pornografia num país em que o imaculado povo é forçado a viver a pão e água, para além de morrer de doenças curáveis nas infindáveis filas de que são características as unidades sanitárias. Foram 10 anos de saque ao cadavérico cofre do Estado. 10 anos de violentos e permanentes ataques ao bolso do paupérrimo contribuinte. Foram 10 anos de discursos cheios de banalidades. Discursos que não passavam de projecções e alucinações humanas proferidos por um tubarão animado com o sangue na água (leia-se riquezas do povo).

sexta-feira, julho 24, 2015

Novos confrontos entre Exército e Renamo no centro

A Renamo revelou a ocorrência de novos confrontos com o exército desde a manhã de hoje na província de Tete, centro do país, e a fuga de populações para o vizinho Malawi.
O porta-voz da Renamo  disse à Lusa que as posições do braço armado da força política começaram a ser atacadas desde as 10:40 locais, na zona de Ndande, posto administrativo de Zobué, no distrito de Moatize, e que, até ao início da tarde, os confrontos ainda não tinham cessado.
Segundo António Muchanga, as forças governamentais procuravam atacar uma base da Renamo naquela região, mas foram repelidas e "fugiram em debandada", não havendo informações sobre baixas.
A mesma fonte afirmou que as tropas do Governo usaram armamento pesado e atingiram casas de civis e que as populações residentes naquela zona fronteiriça fugiram para o vizinho Malawi.

O Ministério da Defesa remeteu esclarecimentos para as autoridades policiais de Tete, que a Lusa tentou ouvir mas ainda sem sucesso. Ler mais (LUSA – 24.07.2015

quinta-feira, julho 23, 2015

Demolições de Construções vs Respeito da Postura Urbana

Desde os meados dos anos 80 que conheço essa luta nas cidades concretamente em Nacala-Porto. Que o senhor Champion Amade o diga. O município que parece calado hoje, pode ser daqueles que está a criar problemas para amanhã, para o futuro. Os problemas de hoje não realmente de hoje, mas criados por antecessores.

Se há área que hoje me desencoraja a trabalhar num município é na urbanizacão. Mas mais do que isso tenho exemplos concretos que. Muita gente em Mocambique, incluindo, pessoas bem colocadas na sociedade, quer mais um pedaco de terra com direito ou sem direito.

Em 2011, passei uns dias no Conselho Municipal de Nacala, porque eu queria uns técnicos com o demarcacões precisas de onde comecava e terminava o meu talhão, onde eu ia construir o muro de vedacão. Na verdade a minha casa está numa "vantagem", sobretudo no olhar de quem não respeita a postura urbana/municipal, porque se situa num cruzamento de duas ruas muito amplas. Também, para esse tipo de gente, eu estou lá numa grande vantagem, porque tenho naquele departamento de urbanizacão, muita gente que me respeita de coracão o que faz com que quando lá entro, procuro me reduzir ao máximo para eu não criar embaracos tanto para eles lá como para mim.

Despartidarização e desmilitarização

Por Machado da Graça

Muitas pessoas afirmam não conseguirem compreender a razão do permanente impasse no processo de diálogo entre o Governo e a Renamo no Centro de Conferências Joaquim Chissano.

Ora a mim a razão parece-me bastante clara. Trata-se de um jogo de poder em que nenhum dos lados quer ceder perante o outro.

Por um lado temos o poder do partido Frelimo que se manifesta através do seu controlo absoluto sobre a totalidade do Estado, desde os orgãos do executivo aos do legislativo e do judicial.

Mina de rubis no norte do país pode ser explorada mais de 20 anos

A mina de rubis da Gemfields em Montepuez, no norte do país, é explorável durante 21 anos e tem uma capacidade de produção de 432 milhões de quilates, revelou a multinacional britânica de pedras preciosas coloridas.
Segundo um estudo preparado para a Gemfields, a que a Lusa teve hoje acesso, a mina de Montepuez, na província de Cabo Delgado, pode também aumentar a sua produção anual de 3,3 milhões de toneladas para 5,6 milhões em Julho 2017 e subir a sua capacidade de processamento de 0,4 milhões de toneladas para 1,3 milhões dentro de um ano.

Economista Moçambicano vai ser julgado por escrever carta aberta ao Presidente

Um dos casos mais polémicos no que diz respeito à liberdade de imprensa em Moçambique vai a julgamento no dia 3 de Agosto em Maputo. O economista moçambicano, Carlos Nuno Castel-Branco, deve comparecer perante o juiz, sob a acusação da prática do crime de injúria contra o Presidente da República que estava em exercício na altura que a carta foi redigida, Armando Guebuza. A carta foi, primeiramente, publicada na página do Facebook do autor, no dia 4 de Novembro de 2013, com o título ʺCarta ao Presidente de Moçambiqueʺ, um assunto que o Global Voices deu destaque. Mais tarde, o documento viria a ser publicado na imprensa locale os seus editores chamados à Procuradoria Geral da República. Ler mais

PRM passa a escoltar medicamentos no país

Pontos de reflexão: Quem me garante que quando os medicamentos forem escoltados pela polícia não serão desviados? Os medicamentos são desviados pelo caminho e não se sabe quem os transporta dos armazéns às unidades sanitárias? Não há até aqui responsáveis no acto de  descarregamento e carregamento nos portos ou nos aeroportos, nos armazéns e nas unidades sanitárias?


Os medicamentos encomendados para o Sistema Nacional da Saúde (SN) passarão a ser escoltados pela Polícia da República de Moçambique (PRM) durante o processo de distribuição aos armazéns e unidades sanitárias no país, anunciou, ontem, a ministra da Saúde, Nazira Abdula, durante a sessão parlamentar de perguntas ao governo.